Onde comprar o cachecol da sua casa de Hogwarts (Harry Potter)

cachecol-harry-potter-sonserina-grifinoria-01

Cachecóis Sonserina e Grifinória da loja Amplector

Você esperou a sua carta de Hogwarts e talvez ela tenha se perdido no caminho. Mas tudo bem, porque você já fez todos os testes e sabe em que casa o chapéu seletor iria te colocar. Você pode ser Grifinória, Corvinal, Lufa-Lufa ou Sonserina… o que importa é sair orgulhoso por aí exibindo as suas cores com muito estilo, certo? Bom, chegou a hora de comprar seu cachecol.

A Amplector é uma loja da Elo7 que faz cachecóis da sua casa preferida sob encomenda. Há duas opções de tamanho, e todos eles vêm com a aplicação do brasão. Além de muito estiloso, você ainda fica super quentinho nos dias frios.

Conheça a Amplector clicando aqui

A minha casa do coração é a Lufa-Lufa. Levei meu cachecol comigo pra visitar o parque do Harry Potter na Universal Studios – The Wizarding World of Harry Potter™ – e foi lindo encontrar tantos apaixonados por esse universo. (valeu a pena enfrentar o calor que estava em Orlando nesse dia.. hahaha)

cachecol-harry-potter-lufa-lufa-08

Anúncios

O que devemos aprender (ou relembrar) com Ruby Sparks

ruby

Ruby Sparks: A namorada perfeita (2012) : O romancista Calvin (Paul Dano) sofre com perturbador bloqueio criativo que atrapalha o desenvolvimento de seu último livro. Com problemas também em sua vida pessoal, começa a criar uma personagem feminina que poderia se apaixonar por ele. Daí nasce Ruby Sparks (Zoe Kazan), que inicialmente é uma personagem dentro de uma história, mas que pouco depois ganha vida e passa a conviver e se relacionar com Calvin pessoalmente.

É cada vez mais raro, mas ainda existem bons filmes em que o roteiro não foi emprestado de um livro. Esse é um feliz exemplo. Uma história diferente, fácil de assistir e gostar. E mais do que isso, serve pra lembrar de uma coisa tão obvia, e tão ignorada por aí: que não existe ninguém perfeito.

Todo mundo tem uma imagem de ~pessoa ideal~, sem defeitos… uma Ruby. Tentar mudar uma pessoa, querer que ela seja quem você quer, não vai resolver. Quem foi que disse que a gente sabe o que é certo ou bom pra nossa vida?

As vezes passamos tanto tempo imaginando como gostaríamos que a nossa vida fosse, que esquecemos de olhar o que está acontecendo a nossa volta. De valorizar o que a gente tem e as pessoas que estão por perto.

E nada como uma história bem contada num dia preguiçoso pra te fazer filosofar…

#DLdoTigre – Livro de Abril

2014-04-13 15.36.47O tema do mês é “Hype do Momento”. E por uma grande coincidência, o burburinho em cima da estreia de mais uma adaptação de YA pros cinemas está por todos os lados. Estou falando de Divergente, que teve sua estréia oficial nas telas no dia 18/03 – mas que eu não tenho a MENOR ideia se já passou por aqui ou ainda não.

Resolvi que esse seria o meu livro do desafio pois muitas das opiniões que eu li na internet indicava que esta seria uma das melhores distopias adolescentes que surgiram após o sucesso de Jogos Vorazes – que eu adoro, e já comentei aqui. Fiquei super curiosa pra saber se era tudo isso mesmo…

Sou bem chatinha pra comentar livros adolescentes, principalmente porque eles são tão comentados e repetidamente elogiados, que é muito raro que eles respondam as expectativas que o pessoal da internet causa. Mas nesse caso, acho seguro dizer que eu gostei – não amei. E tenho a intenção de ler a continuação.

A melhor maneira que encontrei pra comentar o livro foram destacando os pontos fortes e fracos (segundo a minha opinião, é claro).

Uma coisa que me desanimou: o contexto das fações do livro, apesar de interessante, não me convenceu. Uma das coisas que eu mais gosto nessas realidades distópicas é imaginar se a humanidade seria realmente capaz de chegar a tal ponto. Dessa vez não consegui comprar a ideia.

Outro ponto que me incomodou um pouco foi a velocidade dos acontecimentos no livro. Parece que foi tudo tão rápido, que eu achei meio “atropelado”, sabe?

Acredito que o grande diferencial nesse livro está nos personagens. Mesmo os mais coadjuvantes pareciam ter uma história construída, e você fica com vontade de saber um pouquinho mais sobre cada um. Destaque para Quatro (sim, essa sou eu admitindo meu amor por um mocinho de YA – é muito raro, mas as vezes acontece) e Christina (que eu simpatizei logo de cara… acho que rolou uma identificação com os sincericídios da Franqueza… rs).

No final, o saldo foi positivo. A leitura foi bem rápida e sim, estou curiosa pra saber o que a autora preparou nos proximos livros.

Sobre o filme, só tenho a dizer: vi o trailer, detestei a escolha do elenco e perdi qualquer vontade de assistir.

desafio literario